São João do Piauí, 19 de novembro de 2018
(86)995258210
Geral
Collor é investigado por suspeitas de propina em prédio da BR Distribuidora
Senador Fernando Collor de Mello
Collor é investigado por suspeitas de propina em prédio da BR Distribuidora
14/06/2016 08h25

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) passou a ser investigado em inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) em uma nova frente do esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato.

 

Desta vez, as suspeitas são de que o senador praticou o crime de corrupção passiva ao supostamente cobrar propina na construção de um prédio da BR Distribuidora, em Salvador, em 2013. O inquérito, autorizado pelo STF em 13 de maio, é o sexto contra o ex-presidente na Lava Jato.

 

A nova ofensiva contra Collor foi aberta depois que o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró detalhou o esquema no acordo de delação premiada que fechou com o Ministério Público Federal. Segundo o delator, quando ele era diretor financeiro da BR Distribuidora, ficou acertado que seria construído um novo escritório para a empresa e, na transação, Cerveró e o então diretor Vilson Reichebach "receberiam, a título de propina, um andar nos novos blocos a serem construídos, para divisão entre ambos".

 

Na prática, isso significava 500.000 reais em dinheiro sujo para cada um. No mesmo esquema, o ex-ministro Pedro Paulo Leoni Ramos "cobrou propina em nome de Fernando Collor", parlamentar que controlava o "feudo" da BR Distribuidora.

 

"Pedro Paulo era quem operava para Fernando Collor em questões envolvendo o pagamento de propina na BR", diz trecho da delação premiada de Nestor Cerveró. Ao final, informou o delator, o negócio envolvendo o novo escritório da subsidiária da Petrobras não foi consolidado "por força do desencadeamento da Operação Lava Jato, que levou a OAS [responsável pela obra e uma das integrantes do Clube do Bilhão] a ser suspensa em todo o sistema Petrobras".

 

FEUDO 

 

Delator da Operação Lava Jato, Cerveró já havia afirmado aos investigadores da Lava Jato que o senador Collor disse a ele por volta de setembro de 2013 que a presidente Dilma Rousseff (PT) lhe garantiu que a presidência e as diretorias da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, estavam "à disposição" do parlamentar. Aliado do desgastado governo petista, Collor já foi denunciado na Lava Jato e é suspeito de ter embolsado milhões de reais em propina no esquema do petrolão.

 

Segundo a delação de Cerveró, o ex-ministro do governo Collor e operador financeiro do senador, Pedro Paulo Leoni Ramos, chamou o próprio ex-diretor da Petrobras a Brasília para uma reunião na notória Casa da Dinda e no encontro relatou a suposta garantia dada pela presidente Dilma.

 

Ainda conforme o delator, Collor informou na ocasião que não "tinha interesse em mexer" na presidência da BR nem nas diretorias da subsidiária preenchidas por indicação do PT, como o então presidente José Andrade Lima Neto, o então diretor de Mercado Consumidor Andurte de Barros Duarte Filho e o próprio Cerveró. Neste momento, o delator disse ter sido irônico e agradecido a atitude de Collor

 

FONTE: Veja
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: [email protected]

© Copyright 2018 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium