São João do Piauí, 18 de outubro de 2018
(86)995258210
Geral
Propina paga a políticos chega a R$ 210 milhões; veja o ranking dos desvios milionários
30/06/2016 19h48

A soma de recursos desviados que teriam sido repassados aos mais influentes políticos na operação “Lava Jato” alcança ao menos R$ 210 milhões. Para se ter uma ideia, esse é o valor que foi liberado pelo governo federal, no último mês, já na gestão interina de Michel Temer (PMDB) para 63 universidades federais e 41 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. A soma foi feita com base em delações premiadas e em condenações.  No total, o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), lidera o “ranking”, com R$ 77 milhões. São R$ 52 milhões relatados por Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior, da Carioca Engenharia. O recursos teriam sido pagos a Cunha em prestações para que ele influenciasse na liberação de verbas do fundo de investimento do FGTS para o projeto do Porto Maravilha Já o lobista Fernando Baiano, operador do PMDB, disse, em depoimento na Câmara dos Deputados, que Cunha teria recebido R$ 4 milhões de Júlio Camargo, da Toyo Setal. A origem teria sido repasses de contratos da empreiteira com a Petrobras. Segundo o procurador- geral da República, Rodrigo Janot, Cunha teria R$ 5,2 milhões no exterior, frutos da compra, pela Petrobras, de um campo de petróleo em Benin, na África. NAVIOS-SONDA Júlio Camargo disse, ainda, que Cunha afirmou ser merecedor de U$S 5 milhões (convertidos a valores de ontem, seriam R$ 16,5 milhões) em contratos de navios-sonda da Petrobras. Já o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), foi citado por Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, como beneficiário de R$ 30 milhões. Ele também teria embolsado outros R$ 19,8 milhões, relatados por Nestor Cerveró, ex-diretor da estatal, como propina em contratos da Sonda 1000 Petrobras; R$ 2 milhões por ter impedido a CPI no Congresso, conforme relatou Carlos Alexandre de Souza Rocha, que trabalhava com Alberto Youssef; e R$ 1,5 milhão da empreiteira UTC, conforme relatou o executivo Ricardo Pessoa. O senador Romero Jucá (PMDB), que foi ministro do Planejamento de Michel Temer por menos de duas semanas, teria recebido R$ 22,5 milhões, sendo R$ 21 milhões da Transpetro e R$ 1,5 milhão da UTC. O ex-presidente José Sarney (PMDB) também foi citado por Machado, como destinatário de R$ 20 milhões. Outros R$ 30 milhões teriam sido divididos por Renan Calheiros, Romero Jucá e Eduardo Braga (PMDB), afirmou o executivo Nelson Mello, da Hypermarcas. Outra figura importante nesse quebra-cabeça é o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que já foi condenado a 15 anos de prisão, por corrução passiva. Segundo Ricardo Pessoa, da UTC, ele intermediou R$ 4,2 milhões para campanhas políticas em 2014. Sérgio Machado também citou outros políticos, dentre eles o senador Aécio Neves (PSDB). Ele teria recebido R$ 1 milhão, na campanha política de 1998. Todos os citados negam as acusações.

Confira abaixo o ranking dos desvios milionários:

 

FONTE: HojeemDia
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: [email protected]

© Copyright 2018 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium