São João do Piauí, 15 de julho de 2018
(86)995258210
Geral
PRG aumenta o desgaste do PT com denúncia contra Gleisi e Lula
PRG aumenta o desgaste do PT com denúncia contra Gleisi e Lula
01/05/2018 23h21

Nesta segunda-feira, os partidários da investigação: o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, acusado de ser o operador do PT na estatal, também está em vias de fechar o seu acordo. Não bastasse, a Procuradoria Geral da República denunciou ao STF a senadora Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, seu marido (o ex-ministro Paulo Bernardo), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Palocci e o empresário Marcelo Odebrecht pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia apresentada pela PGR na noite desta segunda-feira, os crimes começaram em 2010, quando a Construtora Odebrecht prometeu ao então presidente Lula a doação de 40 milhões de dólares (o equivalente a 64 milhões de reais) em troca de decisões políticas que lhe beneficiassem. O PT teria usado o dinheiro na campanha de Gleisi ao Governo do Paraná em 2014. A denúncia está baseada nas delações do executivos da Odebrecht e a PGR alega ter "documentos apreendidos por ordem judicial, como planilhas e mensagens, além do afastamento de sigilos telefônicos e outras diligências policiais" que embasam as acusações. 

Como contrapartida, os acusados teriam promovido o aumento da linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a Angola, por meio da assinatura, em junho de 2010, de um Protocolo de Entendimento entre os dois países. O termo seria referendado pelo Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex), que tinha Paulo Bernardo entre os integrantes. Como resultado, a Odebrecht receberia do Governo angolano — que teve o limite de crédito ampliado para 1 bilhão de reais — parte dos valores conseguidos com financiamentos liberados pelo BNDES.

Parte do dinheiro teria sido repassada a Gleisi por meio de caixa 2 em 2014, por meio de uma doação não contabilizada da Odebrecht de 5 milhões de reais. "Com o objetivo de esconder o esquema, Gleisi Hoffmann teria declarado à Justiça Federal despesas inexistentes no valor de R$ 1,830 milhão. Os pagamentos foram feitos a empresas que, conforme revelaram as investigações, foram as destinatárias dos recursos repassados pela construtora. Essa dissimilação configura a prática de lavagem de dinheiro", explica a PGR em nota. A denúncia amplia o desgaste público do PT, que já lidava com dificuldades por conta das novas delações que podem ser fechadas no âmbito da Lava Jato.

FONTE: El Paris
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: [email protected]

© Copyright 2018 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium