São João do Piauí, 24 de outubro de 2019
E-mail: redacao@portalmandacaru.com.br
(86)995258210
Piauí
Governo e professores não se entendem e Sinte vai à Justiça
Governo e professores não se entendem e Sinte vai à Justiça
28/01/2016 11h22

A reunião entre os representantes do Governo do Estado e a direção do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Piauí (Sinte-PI) para discutir o reajuste do piso nacional de salário do magistério não teve um desfecho favorável. O Governo afirmou que já pagar R$ 86,00 acima do piso nacional dos professores e não pretende conceder nenhum reajuste aos professores agora. 

 

O Sinte-PI, por sua vez, mantém a decisão de não iniciar o ano letivo no dia 15 de fevereiro, tirada em assembleia geral na última segunda-feira. Com isso, o impasse continua: os professores querendo um reajuste de 11,36% em cima dos vencimentos e o Governo dizendo que não tem condições financeiras para conceder aumento. "Não vai haver reajuste, porque já pagamos acima do piso", assegurou o secretário da Administração, Franzé Silva. 

 

"Essa pauta de pagar o piso nacional é pauta vencida, porque o que está sendo colocado é o pagamento de R$ 2.135 para 40h a partir de janeiro. Mas, o menor salário pago no Piauí para professor de 40h é de R$ 2.221,00", explicou o secretário. Segundo ele, os outros estados estão dando reajuste para chegar ao piso nacional. "Se o Piauí já paga (o piso), não vamos reajustar nada", frisou o secretário. 

 

Essa posição do governo causou a revolta dos representantes do Sinte-PI, que alegam que o piso é pago porque está embutido no contracheque o valor da gratificação de regência, no valor de mais de R$ 260,00. Como existe uma decisão judicial do desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar determinando a desincorporação da gratificação no contracheque, o Sindicato pretende recorrer à Justiça.

 

Na ação, os advogados querem o cumprimento da decisão judicial, reclamam do descumprimento da sentença e pedem o bloqueio das contas para garantir o pagamento do piso reajustado. Se não for cumprido mesmo assim, pedem a prisão dos secretários de Fazenda, Rafael Fonteles; de Administração, Franzé Silva; e de Educação, Rejane Dias, por descumprimento de ordem judicial. 

 

Franzé disse que não interessa ao governo entrar em conflito com a categoria. "Queremos encontrar saídas que não leve o alunado ao prejuízo, com o atraso do início do período letivo, mas levando em conta a situação econômica do governo", acrescentou o secretário Franzé Silva. 

FONTE: DiariodoPovo
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: redacao@portalmandacaru.com.br

© Copyright 2019 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium