São João do Piauí, 23 de fevereiro de 2020
(86)995258210
Justiça
Ministério Público investiga evolução patrimonial do ministro do Meio Ambiente
Ministério Público investiga evolução patrimonial do ministro do Meio Ambiente
17/08/2019 23h07

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) abriu inquérito para investigar a suspeita de enriquecimento ilícito do atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e tenta a quebra do sigilo bancário do investigado.

A notícia foi revelada pelo jornal "O Estado de S. Paulo", em sua edição deste sábado.

Entre 2012 e 2018, o patrimônio de Salles declarado à Receita Federal passou de R$ 1,4 milhão a R$ 8,8 milhões. Na maior parte desse período, ele ocupou cargos no governo de São Paulo.

A promotoria vê como "imprescindível o acesso aos dados bancários e fiscais do investigado Ricardo de Aquino Salles, sobretudo para aferir suas efetivas e reais movimentações financeiras para elucidar o objeto", segundo escreveu o promotor Ricardo Manuel Castro em seu pedido ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Procurado, o Ministério do Meio Ambiente afirmou que "o patrimônio e os rendimentos do Ministro estão integralmente declarados, não havendo nenhuma irregularidade. As ilações e pedidos são infundados, tanto que já duplamente rechaçados pela Justiça".

A evolução patrimonial de Salles, em mais de seis vezes, foi confirmada a partir das declarações de Imposto de Renda entregues à Justiça Eleitoral nos anos em que foi candidato — 2012, quando concorreu a vereador em São Paulo, pelo PSDB, e 2018, quando tentou uma vaga para deputado federal pelo Novo, não tendo sido eleito.

Em 2012, ao se candidatar a vereador, Salles deixou de exercer a atividade de advogado. No ano seguinte, foi nomeado para secretário particular do então governador Geraldo Alckmin (PSDB), com um salário de R$ 16.868 mil.

De julho de 2016 a agosto de 2017, foi secretário do Meio Ambiente, com um salário médio de R$ 18.413,42 mensais, segundo consta do documento elaborado pelo promotor paulista.

PEDIDO DE REDUÇÃO DE PENSÃO

Na visão do promotor Castro, três fatores tornam suspeita a evolução patrimonial de Salles: no período, ele conseguiu na Justiça o direito de reduzir a pensão alimentícia paga a seus dois fiilhos pelo fato de ter parado de advogar; não há, no Tribunal de Justiça, processos em número ou valores que tenham gerado honorários que justifiquem o crescimento patrimonial; e Salles já foi condenado, em primeira instância, por improbidade administrativa.

O MP investiga Salles por enriquecimento ilício desde julho, após a empresa SPPatrim Administração e Participações fazer uma representação apontando para a evolução do patrimônio do ministro.

FONTE: OGlobo (Assinantes)
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: [email protected]

© Copyright 2020 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium