São João do Piauí, 27 de maio de 2020
(86)995258210
Saúde
Coronavírus mata 10 mil brasileiros 53 dias depois da primeira morte
Coronavírus mata 10 mil brasileiros 53 dias depois da primeira morte
09/05/2020 12h42

Cinquenta e três dias depois de confirmar a primeira morte pelo novo coronavírus, o país perdeu, até esta sexta-feira (8), 10.020 brasileiros mortos por complicações da nova doença, segundo apuração da CNN com as secretarias estaduais.

Entretanto, a voracidade com que a pandemia, que não tem tratamento, cura ou vacina, avança sobre os brasileiros não dá sinais de que vai perder a força. Pelo contrário.

Sua trajetória vem se acelerando e aumentou a velocidade 37% de quinta para sexta. O número foi atingido no dia em que 830 mortes foram registradas pela OMS, com dados tabulados pela universidade Johns Hopkins. O país atingiu 146.973 infectados. Com a subnotificação, esses números estão muito abaixo da realidade.

Nesta pandemia em que "navegamos às cegas", como já afirmou o ministro da Saúde Nelson Teich, o Brasil é o país que menos conhece sua própria curva. Até  6 de maio, o país realizou somente 311 mil exames para o coronavírus desde o início da epidemia.

Para termos um parâmetro, a Alemanha realiza 500 mil testes por semana. Dos oito países com maior quantidade de casos no mundo, o Brasil é o que está em pior situação em relação ao número de testes por mil habitantes. Itália (38,3 por 1000), Alemanha (32,8 por 1000) e Rússia (31,7 por 1000) apresentam os indicadores mais altos, segundo o Observatório Covid-19 BR em nota técnica divulgada ontem.

O Brasil mantém ainda o 2º lugar na velocidade de infectados e mortos e está na 6ª posição nos mortos totais.

Com seu rastro esfriando a cada dia em meio à falta crônica de testes e atrasos e filas dos que são feitos, a Covid-19 se espalha em silêncio, antes dos sintomas. Ela se interioriza, já circula em municípios onde mora 85% da população e alcança pessoas cada vez mais distantes da chance de receber suporte respiratório caso tenham seus pulmões interditados pelo vírus.

Seis estados do Brasil têm 90% ou mais de ocupação em suas UTIs, o que os coloca muito próximos do colapso no sistema de saúde.

Muitas vítimas perderam suas vidas sufocadas, sozinhas, sem direito a uma despedida afetuosa dos familiares. Ao lado destas há outros tantos que também perderam a vida, mas com uma angústia a mais: não tiveram nem a oportunidade de integrar as estatísticas de morte por Covid-19. As famílias ficaram sem a certeza de se tinham ou não a nova doença.

Esses casos são os casos de mortos com suspeita de Covid-19, mas enterrados com registro de pneumonia, gripe, síndrome respiratória aguda grave, com o teste para o novo vírus ainda por sair.

De fevereiro a maio, foram 12% a mais de mortos por insuficiência respiratória do que o ano passado. De pneumonia, 6% a mais, segundo dados dos cartórios, que chegam com um atraso de no mínimo 14 e até hoje atualizam registros ainda de 2018.

Enterrados em grupo, às vezes à noite, caixão fechado e 10 minutos de sepultamento, algo totalmente fora das tradições, seja em valas comuns ou em cemitérios prestes também a colapsar em capacidade. Assim perdemos 10 mil brasileiros.

FONTE: CNNBRasil
Portal Mandacaru no Facebook:
Notícias recomendadas
Últimas notícias
Mais lidas do mês
Portal Mandacaru | O nº 1 em notícias de São João do Piauí e região

End: Travessa Adail Coelho Maia - Cel:(89)9403-3070 - Redação: [email protected]

© Copyright 2020 - Portal Mandacaru - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium